icone_face icone_wathsap
GCN.net.br
  • Buscar
  • Menu

Colunistas e opiniões

Correia Neves Jr
Gazetilha
Jornalista e diretor executivo do GCN.
Denilson Carvalho
Consumidor
Advogado, ex-coordenador do Procon/Franca
Dilma Rousseff
A presidente responde
Presidente do Brasil
Edson Arantes
Bastidores da Política
Jornalista
Lucia Brigagão
Cotidiano
Jornalista, escritora, professora
Luiz Neto
Cidadania
Jornalista e editor de Opinião do 'Comércio'
Pe. José Geraldo
Religião
Pároco da Catedral
Toninho Menezes
Conjuntura
Advogado e professor
Wilson Marini
Cidades
Jornalista
opinaoCartas
Artigos e cartas
Os comentários e textos dos leitores e articulistas do Comércio
 

A Nossa Opinião

A maioridade após 518 anos
Este 22 de abril de 2018 pode marcar um ano histórico para o Brasil. Os 518 anos do país “tropical, abençoado por Deus
COM O VOTO, BRASILEIROS PODEM DECLARAR A INDEPENDÊNCIA DO PAÍS
 
Este 22 de abril de 2018 pode marcar um ano histórico para o Brasil. Os 518 anos do país “tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza” podem marcar a maioridade da Nação, cinco séculos e 18 anos depois. Como também podem selar a continuidade das mazelas e desleixo que acompanham o “país do futuro” que, em mais de meio milênio, não saiu do passado. O primeiro passo para, enfim, conquistarmos a nossa tão sonhada liberdade foi dado há quatro anos, mas será o resultado das eleições de outubro que definirá que, sim, vamos avançar rumo a uma sociedade evoluída, livre da corrupção, em busca do desenvolvimento econômico sustentável e contínuo; ou então, permanecermos nessa bolha ilusória de que “tudo está bom”, “para tudo dá-se um jeitinho”, que “no fim tudo certo”, por mais centenas e centenas de anos.
 
Há quatro anos e um pouco mais de um mês, teve início no Brasil a Operação Lava Jato, que tornou-se o maior símbolo da luta contra a corrupção no País. Nesse período, a Polícia Federal, Ministério Público Federal e a Justiça têm agido para varrer dos quadros nacionais os políticos lesas-pátrias. Com as policiais e MPs estaduais, não é diferente - na região de Franca, temos pelo menos três ex-prefeitos atrás das grades acusados de corrupção. Nestes quatro anos de Lava Jato, para ficarmos no âmbito federal, os brasileiros assistiram incrédulos às prisões de empreiteiros, ex-presidente da Câmara dos Deputados, ex-ministros do Governo Federal e, inclusive, um ex-presidente da República. 
 
O impacto na história do Brasil dessa atuação de procuradores, policiais e juízes, por conta da continuidade dos trabalhos, é ainda imensurável. Mas já podemos dizer que foi fundamental para alertar os milhões de eleitores de que votamos mal, há algumas décadas, ludibriados pelo discurso enganoso da maioria dos políticos, seja de qual partido for. Votamos mal, até pela falta de informações. No corporativismo do crime - pelo que evidenciam as investigações -, inimigos políticos eram os mais íntimos amigos no loteamento de empresas públicas para corroer os cofres da Nação.
 
Temos pois, agora, condições - ainda que não plenas, pela falta de opções - de mudar o jogo. Temos a chance de nos tornarmos os agentes desta virada, ao fazer valer o poder do nosso voto, elegendo deputados e senadores comprometidos em legislar a favor da população; elevando à condição de governadores de Estado e presidente da República cidadãos capazes de gerir o bem público de forma honesta e em benefício de seu povo.
 
O dia 7 de outubro de 2018 é a data em que os brasileiros terão em suas mãos o poder de transformar o Brasil no país do presente, livrando-se da pecha do futuro que nunca chega.
Charge do dia
veja mais...
ir para versão desktop