icone_face icone_wathsap
GCN.net.br
  • Buscar
  • Menu

Colunistas e opiniões

Correia Neves Jr
Gazetilha
Jornalista e diretor executivo do GCN.
Denilson Carvalho
Consumidor
Advogado, ex-coordenador do Procon/Franca
Dilma Rousseff
A presidente responde
Presidente do Brasil
Edson Arantes
Bastidores da Política
Jornalista
Lucia Brigagão
Cotidiano
Jornalista, escritora, professora
Luiz Neto
Cidadania
Jornalista e editor de Opinião do 'Comércio'
Pe. José Geraldo
Religião
Pároco da Catedral
Toninho Menezes
Conjuntura
Advogado e professor
Wilson Marini
Cidades
Jornalista
opinaoCartas
Artigos e cartas
Os comentários e textos dos leitores e articulistas do Comércio
 

A Nossa Opinião

Como o mundo vai se comportar?
Para os especialistas em política global, a partir de agora (e pelo menos nos próximos quatro anos) o mundo nunca mais será o mesmo.
DONALD TRUMP TOMA POSSE NOS EUA SOB PROTESTOS E UM GRANDE TEMOR GLOBAL
 
Para os especialistas em política global, a partir de agora (e pelo menos nos próximos quatro anos) o mundo nunca mais será o mesmo. A posse do republicano Donald Trump na presidência dos Estados Unidos, ontem, trouxe em seu rebordo uma série de protestos em Washington, capital norte-americana, alguns violentos, com a prisão de perto de uma centena de manifestantes, além do temor de que o magnata-presidente transforme em ações uma série de promessas feitas durante a campanha eleitoral. Sem qualquer freio na língua, o hoje presidente de uma das mais poderosas nações do planeta transpirou xenofobia, racismo e um profundo desrespeito às mulheres com suas opiniões machistas. Ainda promete, na área econômica, exacerbar o protecionismo para proteger a indústria norte-americana. E, como aqueles políticos que já tivemos por aqui, pretende colocar abaixo qualquer decisão de seu antecessor, o democrata Barack Obama.
 
Só mesmo um sistema eleitoral como o dos EUA é capaz de permitir a ascensão de uma figura como Trump. Alinhado ao presidente russo Vladimir Putin, causa tensão ao investir contra mecanismos como a ONU (Organização das Nações Unidas), a Otan (Organização do Tratado Atlântico Norte) e a zona do Euro. Em seu discurso de posse, citou diversas vezes a necessidade da criação de medidas de proteção para a economia norte-americana, o que pode prejudicar parceiros comerciais históricos, como México, Brasil e França, por exemplo. Além disso, Donald Trump também prometeu “varrer” o terrorismo da face da Terra, em ações capazes de dar origem a mais um conflito de proporções mundiais. Para quem não conseguiu unanimidade nem entre os membros de seu próprio partido, vai ser difícil segurar o magnata.
 
Não se sabe ainda se Trump será mais político ou se continuará encarnando o megaempresário falastrão, capaz de anunciar a construção de um muro na fronteira com o México, obrigando este país a pagar a conta. O milionário toma posse sob protestos e manifestações, já que mesmo sendo derrotado no voto, soube conseguir apoios nos Estados que lhe permitiram a formação de um colégio eleitoral favorável. Só com o passar dos dias é que poderemos saber até onde vai o novo presidente norte-americano. Caso mantenha as promessas de campanha, vai interferir na vida de muitos países (inclusive o Brasil) que dependem da parceria comercial com os EUA, além de desfazer alianças antigas em favor de uma nova ordem mundial. E é exatamente aí onde reside o perigo.
Charge do dia
veja mais...
ir para versão desktop