Passarinhar

Por:

O vaso sem flor, preso à parede, recebeu um novo hóspede. No começo, nem lhe notei a presença, mas depois percebi que a rolinha voava quando me aproximava. Um dia, admirei surpresa que ela havia feito um ninho. Acompanhei de longe, para não atrapalhar, o vai-e-vem do casalzinho que se revezava para cuidar da cria. Digo que era um casal, pois havia uma mancha em um deles.


 Um dia não agüentei de curiosidade e coloquei uma cadeira para ver o que havia lá dentro. Que mimo! Um ovinho e um serzinho sem penugem, com os olhinhos ainda fechados. Gritei de alegria:


- Plantaram um passarinho aqui!!


Confesso que voltei lá outras vezes para verificar o crescimento do bichinho, quando os pais não estavam de plantão. Mas ficava arrependida, logo que olhava pra cima e via um dos dois lá, no alto, pendurado nos fios, me vigiando.


O filhote cresceu, mal cabia no vaso e parece que os pais o incentivavam a sair dali, fazendo-o aventurar-se em pequenos vôos desengonçados. Era difícil colocá-lo de novo no ninho. Por que não esperar mais um pouco?...


Que dia infeliz foi aquele!
 

Uma tentativa frustrada de vôo. O andar desajeitado pelo chão. O portão aberto. Um cachorro na rua. Uma bocada. Um grito. Um leve bater de asa. A fragilidade da vida...


Fácil foi recolhê-lo e levar de volta ao aconchego. Olhei para cima e lá estavam eles me observando. Que dor lancinante sentimos.
 

Eles ainda ficaram lá por alguns dias, se revezando nos cuidados. O bichinho não mais se mexia.
 

Criei coragem, tirei-o de lá e o enterrei numa cova rasa. Pedi a Deus que o deixasse voar livre no céu dos passarinhos.

 

Marina Garcia Garcia
Pedagoga e professora de Português

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras