O medo

Por: Claudia Filipin

(para Gustavo Gea)

Do elevador
Do corpo flácido
Do ramalhete sem bilhete
Da morte da mãe
Do filho que não voltou
Da intolerância
De estar feliz
Da doença, e mais dos remédios
Do seguro de vida
Do quarto vazio, da cortina que balança
Da decrepitude
Dos filmes do Kubrick,
Dos poemas da Sylvia
De atravessar a rua
De nunca atravessar
Do extrato bancário
Do veneno cotidiano
Do vizinho sórdido
Do que não se pode entender
Do estar só, do estar com gente
De nunca conseguir
De nunca tentar
Do hálito ácido
Do céu de Agosto
Da frigidez, da rigidez
De você, o medo de mim.
O medo do medo.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras