As chuvas em Franca

Por: Maria Rita Liporoni Toledo

Para os mais tímidos ou para os menos espirituosos nada melhor do que iniciar uma conversação falando sobre a chuva. Era comum, tempos atrás, professor de Português pedir que se escrevesse uma redação sobre a chuva e cada aluno poderia exercitar sua criatividade. Mas eu quero falar sobre as intensas chuvas que tem caído sobre Franca e região, benéficas e anunciantes de farta colheita. O que tem causado alguns dissabores não é ela em si, mas as atitudes do ser humano, como jogar lixo em qualquer lugar, nas ruas, o que causa o entupimento dos bueiros. O que se tem visto, por ocasião de fortes pancadas, é muita sujeira sendo levada pelas enxurradas.

A vida em comunidade nos obriga a pensar no próximo, no bem estar comum, numa forma educada de se viver. Só quando acontecem as tragédias é que nos lembramos de que elas poderiam ter sido evitadas, assim como no trânsito, onde a sensibilidade é perdida e a ordem é correr sempre. Quem anda a pé sente a agressividade com que muitos motoristas dirigem, não se importando com os seres humanos. Em todos os setores encontramos situações que prejudicam a vida em sociedade. O uso abusivo do álcool, sendo corroborado por propagandas diretas e indiretas na mídia, é uma delas, causando dor e transtornos para todos. Uma atitude incorreta leva a outra e os valores mais tradicionais vão sendo deixados de lado. São pequenos atos que se praticam, pensando que não vão causar mal, mas que somados a outros adquirem uma dimensão comprometedora. E o homem vai agindo insensatamente,

Somente com educação poderemos tornar a nossa vida possível. A escola precisa ensinar o que as famílias não conseguem. Cabe aos professores se desdobrarem para suprir as carências que seus alunos apresentam, com exemplos e modelos ideais. Criar neles hábitos sociais, formando pessoas empenhadas em melhorar a qualidade de vida, preocupadas com o planeta em que vivemos, respeitando o próximo. Só assim poderemos receber, com tranquilidade, a chuva que fecunda a terra e garante a nossa sobrevivência.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras