Sem lenço e sem documento

Por: Farisa Moherdaui

Leve e solta eu seguia naquela manhã por uma rua calma, a carregar uma sacolinha de plástico e dentro dela alguns pertences: o celular, a carteira com algum dinheiro, um caderno de anotações, um rolo de fita crepe e duas canetas.

Num repente, surge aquele homem que até me pareceu ser do bem; calmo, a caminhar em minha direção. Pensei até que viesse me pedir alguma informação, como o nome da rua ou coisa parecida. Mas, mero engano; o homem se aproxima e num puxão, plaft! Carrega a sacolinha que também leve e solta balançava de lá pra cá.

- Bandido, safado, volta aqui, devolve o que é meu, bandido, ordinário, como se ele desse ouvidos ao meu chamado.

E o homem correndo mais que o vento desapareceu como fumaça.

Um casal apareceu e prestativo ligou para o 190. A viatura, como num passe de mágica surge com dois policiais, prontos a servir, mas o que não apareceu mesmo, foi o malandro, o safado.

Ansiosa, fui dando todas as informações, mas em nenhum momento soube explicar se o homem era alto ou baixo, preto ou branco, gordo ou magro, sei lá.

A rua, antes tranquila, foi ficando animada com o aparecimento de curiosos e até dois sobrinhos que por acaso ali passavam reconheceram de longe aquela que falava e gesticulava em meio aos policiais.

- Olha, olha lá, mas aquela é a tia Farisa que deve ter batido o carro ou atropelado alguém; coitada, vamos lá.

E os dois até fizeram a ronda pelas bandas, mais parecendo mocinhos à caça de bandidos.

Para que a confusão não se tornasse mais confusa, achei por bem voltar para casa, ainda caminhando contra o vento e de mãos vazias, a lamentar:

- Que raiva, que sac...
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras