É preciso saber viver

Por: Tânia Liporoni

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Clarice Lispector


Há certos dias, às vezes, uma conversa, uma frase, uma palavra desmonta toda a estrutura. Desmonta a gente. Há algo que se constrói (ou destrói) lá dentro, devagar e silencioso. Basta um gesto, um olhar, para ruir tudo, eclodir, trazer a tona, e, a pessoa reage, muda o curso. As coisas estavam prontas, bastava um impulso propulsor para dar seus nomes aos sentimentos. Essa ebulição interna dura algum tempo. É variável. Depende do tamanho do estrago que provocou e do preparo e disposição que a pessoa tem para lidar com tudo isso. Uma avalanche que pode ser tragada aos poucos respira traga respira traga. Ou, pode-se cobrir a cabeça na escuridão e só deixar passar. Mas, que a avalanche vem, ah, ela vem.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras