Não percam a esperança

Por: Chiachiri Filho

A presença de Sua Santidade, o Papa Francisco, em nosso país, foi marcante, empolgante, emocionante. Milhões de pessoas, especialmente os jovens, aplaudiram-no entusiasticamente e, em profundo silêncio, escutaram as suas pregações. Das mensagens deixadas pelo Papa, na minha opinião, a mais significativa foi:

“Não percam a esperança.”

Sem dúvida, a perda da esperança é o sinal mais evidente do desânimo, do fracasso, da derrota. Não se pode perder a esperança mesmo diante da corrupção, do ódio racial, político e religioso. Não se pode perder a esperança perante a crueldade, a injustiça, as torturas, a indiferença, a insensibilidade. Não se pode perder a esperança jamais. Esperança de reconstruir um novo mundo, uma sociedade mais justa, uma nova vida de alegria e paz.

A juventude brasileira e, porque não dizer, a juventude do mundo aqui representada por quase duas centenas de nações, acolheu a mensagem do Papa e, com toda certeza, vai colocá-la em prática. A pregação do Papa caiu em terreno fértil. Atingiu o coração dos jovens que, por sua própria natureza, são os guardiões da eterna esperança. O futuro está nas mãos dos moços e moças. Cabe a eles a sua construção. Compete-lhes moldá-lo de acordo com as suas idéias e a sua consciência. Compete-lhes esculpi-lo de acordo com sua intuição e arte.

Foi bom ver o Papa no Brasil. Foi muito bom ver milhares e milhares de jovens cantando, gritando, sorrindo, aplaudindo e vibrando com as palavras do Vigário de Cristo.

A esperança é o combustível da vida. Quem tem esperança não desanima. Vai adiante com sua fé e a certeza de que pode transformar o mundo. A esperança traz confiança e alegria, a mesma alegria demonstrada nas ruas do Rio de Janeiro e de Aparecida do Norte. A mesma alegria que encantou o Papa do Povo.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras