Cárcere

Por: Jorge Damante

Alma jovem machucada e ferida
Solta teus grilhões, liberta
Teus fantasmas, pavores e horrores
Grita!

Alma jovem devassada e sofrida
Enfrenta a dor de viver, aprisiona
Teus amores e favores, sonhos
Cala!

Alma jovem pisada e remexida
Encobre teu ser, com o manto da noite
De dentro de suas entranhas
Chora!

Alma jovem humilhada e partida
Do passado não passou, ficou
Presente e vivo, eternamente
Morra!

Jorge Damante, licenciado em História e bacharel em Direito

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras