Ipê, Erê e Todo Mundo

Por: Débora Menegoti

Ipê rosa nas montanhas rochosas. Flamboyant e orquídeas selvagens. Pedrinhas molhadas, alisadas pelo tempo.
 
Mel. Água mansa, arapuãs e jataís fazendo túnel de cera molinha, irresistível de apertar.
 
Passagem mágica, outra dimensão após os eucaliptos fazerem teto na estrada.  
 
Ipê rosa, ipê e mais ipê. Rosa. Rosa rosa;  em quintais de fazenda com janelas antigas abertas, quase despencam. Quase abril; dobrinha do mês. Arco íris. Ao menos três. 
 
Só quero pôr os pés no fresco. Geladinho do dedão ao mindinho. Um ritual. Contemplarei devagarinho, ver este instante é muito bom. 
 
Margens, espelho, flores, filhotes: de pato, cachorro de gente da grande e da miúda. 
 
Terra mais fecunda é dentro. Vou domando meus leões, cada dia um passo mais perto do que há de bruto em mim. Vou encarar-me de frente, enfrentar-me e vencer-me, com Amor. 
 
Nós queremos sua companhia pra plantar, colher, come(r)-morar. 
 
Polenta, quiabo, jiló a milanesa. 
 
Pode por limão que não azeda.
 
Preciso rever Dona Edinê, Sr. Jerônimo, o lobinho Dudu. 
 
Preciso ver os ipês o erê e todo mundo.
 
 
Débora Menegoti, leitora

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras