Inferências

Por: Eny Miranda

Abrindo e fechando os olhos 
Vai o tempo marcando o Tempo.
Dia / noite, noite / dia,
Despertando, adormecendo,
Desaguando, aguando, florindo,
Dourando, murchando, tombando,
Cantando, carpindo...
Enchendo a taça da vida.
 
Do alto de todos os altos
Vem o Tempo fluindo o tempo.
Unindo vida e história,
Desce fio transparente
Ou turvo, plácido ou frenético,
Cristalino, opalino, aberto em véus... 
Grande rio correndo no tempo,
Levando a vida às águas salsas
Do abissal aspirante a céu.
 
E da escuridão dos abismares,
Um fio aparece solto:
Leve, longo, verde-azul,
Cheirando a limos, lírios, ares, asas... 
A brisas que perpassam o Tempo
Segredando gotas
Nascentes no horizonte
De novos rios transparentes
Afluindo novas cascatas
De tempos, histórias e gentes.
 
 
Eny Miranda, médica, poeta e cronista
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras