Três segundos

Por: Isabel Fogaça

262281
Gato foi um peixe beta comprado em 2010, na Indonésia, numa feira de animais. E se chamava Gato simplesmente porque sua dona gostava desse nome (era o que ele queria acreditar).
 
Gato tinha pavor de felinos, talvez esse fosse o maior medo de sua vida, mas ele logo se esquecia: o peixinho sofria de um problema de memória, e esquecia tudo em menos de três segundos. Por falar nisso, Gato também sofria do coração, logo quando nomeado desenvolveu medo do próprio nome e seu coraçãozinho batia tão desesperadamente que Gato desmaiava frequentemente.
 
A única coisa que Gato gostava era de sua comida, sua ração sempre foi a mesma desde que ele nasceu. Comia feito touro, e este era o único momento em que ele se sentia mais forte do que seu próprio nome, mas não sabia porque, e quando tentava se questionar, a memória de três segundos fazia com que tudo se apagasse, e mais uma vez ao ouvir ‘Gato!’, ai que medo...
 
Aproveito, e venho lhe informar através desta nota, caro leitor, que Gato teve um infarto na madrugada de terça, às 5 horas da manhã. Sua vida foi acompanhada de medo e angústia, mas ninguém compreende os reais motivos. Buscando entender: se Gato fosse uma pessoa, provavelmente leria Schopenhauer tomando um gole de Whiskye, teria uma coleção de camisas pretas e não olharia nos olhos das pessoas. Talvez, se Gato fosse um cara, ele preferiria o próprio aquário, digo, o próprio quarto à companhia de alguém. Se Gato fosse um homem católico, talvez se chamasse Pecado. Se fosse um apostador, provavelmente se chamaria Azar. Se fosse um grande chefe de negócios, se chamaria Insegurança. Se fosse um poeta, teria nome e sobrenome: Falta de Amor.
 
Não se sabe se Gato está no céu dos peixes beta (é o que o pai de Ane disse a ela). Talvez ela acredite no que sua mãe lhe propôs: a história de uma linda fazenda que você ,leitor, já conhece. Ane agora está com medo. E seus pais? 
 
Estes não sabem o que fazer com dez quilos de ração feita de carne de felinos que ficou para trás.
 
 
Isabel Fogaça, 4º ano  História/Unesp

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras