O amor

Por: Ronaldo Silva

Brisa úmida,
saudosa alegria
dos dias vividos
ao lado de um alguém.
 
Cheiros, sabores, sons...
Suga minha memória
o buraco negro da solidão.
 
O sentimento que um dia
batizou-me no altar da paixão,
agora não passa de um desejo
irrealizável e tolo.
 
Desejo o arrebatamento.
Quero ausentar-me um pouco
desse mundo aceitável
que plasmei para mim mesmo.
 
Nesse momento, para o amor,
sou uma equação que não fecha.
 
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras