Desconfinado

Por: Tânia Liporoni

O banal, o corriqueiro me distrai das coisas relevantes.  É bom. Não conseguiria de outra forma. Focar nas grandes questões enquanto se acorda, trabalha, se exercita, vai ao cinema, almoça em família...a vida não flui. Mas, aí, quando ele aparece, o sério, o importante, o susto é impactante. A gente sai da ciranda e é levado para este lugar. Grandioso, escuro, complicado. Doloroso, às vezes. Após o desassossego, lá fora, a vida segue. Tudo está normal, mas diferente. O olhar alertado,  os passos mais cautelosos, o vermelho mais escuro,  o coração, um pouquinho mais forte.  O nascer do sol –esse sempre nasce – muda de tom. Mas, a vida segue, e,  é preciso ir adiante e continuar vendo os sorrisos, as cores, o dia claro e azul, a beleza da pequenez das coisas. Tudo é passageiro e efêmero.  Substituível.  Somos todos.
 
 
Tânia Liporoni, advogada e autora de Parceria de Um e Pega-me. Membro da Academia Francana de Letras

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras