Adulto

Por: Ronaldo Silva

Ninguém pode acusar-me
de ser inocente
a esta altura da vida.
 
Porque o amor já passou,
a infância já se foi há muito
e não há como retroceder.
 
Meu pai envelheceu
e minha mãe ficou surda
enquanto minha barba crescia.
 
A vida é de verdade e
ela é bem menos engraçada agora.
 
Tenho fome
e isso é problema meu.
Tenho medo;
problema meu.
 
Os fantasmas que hoje me impedem
de dormir à noite
são bem mais reais que aqueles
da infância na casa velha da roça.
 
Ser adulto é, antes de tudo,
ser solitário e melancólico.
 
“Salve-se quem puder!”
é a única verdade
para quem se perdeu de Deus.
 
Meu quarto é hoje
um grande túmulo em que jazem
em desespero eterno
as doces ilusões de minha meninice.
 
Mas eu ainda posso chorar
e até rezar... sozinho.
 
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras