Marchinhas

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

345555

Nem no Rio de Janeiro se cantou apenas samba no carnaval. Composições simples, as marchinhas, “a música de carnaval do Brasil”, são resultados da mistura de compasso binário - como o das marchas militares, andamentos acelerados, melodias simples e de forte apelo popular mais letras irônicas, sensuais e engraçadas. Quase todas as composições, muitas delas centenárias, são assinadas por nomes importantes da música brasileira como Braguinha, Mário Lago, Lamartine Babo, Noel Rosa e Herivelto Martins. Em 1889, Chiquinha Gonzaga divulga Ô Abre –alas, considerada a primeira marchinha do nosso cancioneiro carnavalesco. E aí tudo começou. Há várias e curiosas relações de classificação dessas composições. Para minha surpresa, em quase todas, a Turma do Funil(Mirabeau, M. De Oliveira e Urgel Castro) - regravada por nada menos que Tom Jobim, em 1980 - é considerada a mais importante. Seguem-na, pela ordem, Mamãe eu quero, de Jararaca e Vicente Paiva; O teu cabelo não nega, de Lamartine Babo e Irmãos Valença, 1931; Ô Abre-alas; Saca Rolha, de Zé da Zilda, Zilda do Zé e Waldir Machado, de 1953; Me dá um dinheiro aí,Ivan, Homero, Waldir Machado, 1959. Aurora, de Mário Lago e Roberto Roberti, 1940. A pipa do vovô, Sílvio Santos. Maria Sapatão, de Chacrinha. Chiquita Bacana, de Emilinha Borba. Tem, ainda, o Allah-lá-ô, de Haroldo Lobo e Nássara, de 1940; Cachaça, de Miarabeu, Lúcio de Castro e Heber Lobato, de 1953; A cabeleira do Zezé, de Roberto Kelly e Roberto Faiçal; A Jardineira, de Benedito Lacerda e Humberto Porto, de 1938 e Linda Morena, de Lamartine Babo, de 1932. Só nomes de peso para assinar essas jóias. Herança cultural, essas – e outras - marchinhas foram passadas de geração para geração, todos conhecemos suas letras de cor, e foi comum até há pouco tempo, ver avôs e netos cantando juntos essas deliciosas manifestações musicais, que revelam sermos – ou termos sido - povo descontraído, gozador, capaz de criar obras primas com toque de leveza, alegria e malícia. 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras