George Frederick Ernest Albert

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

352206

George Frederick Ernest Albert; conhecido como George V, nascido em Londres em 3 de junho de 1865, foi rei do Reino Unido de 1910 até sua morte em Sandringham em 20 de janeiro de 1936. Era neto da Rainha Victoria e primo-irmão – suas mães eram irmãs - do Czar Nicolau II da Rússia. George V se casou com Mary e tiveram seis filhos, pela ordem de nascimento e direito ao trono: Edward, Albert, Mary, Henry, George e John. Bastidores revelam que o rei George V teria difícil relação com seu filho mais velho, Edward, que seria herdeiro por pouco tempo do trono da Inglaterra, mas se relacionava muito bem com o príncipe Albert, futuro George VI, e adorava sua neta mais velha, Elizabeth, a quem chamava  Lilibeth que mais tarde assumiria o trono com o nome de Elizabeth II.  Com a morte de George V, Edward herdou o trono e tornou-se rei, com o nome de Edward VIII.  Apaixonado pela americana Wallis Simpson, duas vezes divorciada, o recém-empossado rei que não chegou a ser coroado, abdicou do trono, que passou para seu irmão Albert, Albert Frederick Arthur George, que adotou o nome de reinado de George VI. Os outros irmãos seguiram suas vidas como parte da realeza britânica, porém relativamente longe dos holofotes. A respeito de John, porém - o irmão caçula do rei George VI , pouco se sabe e o fato de  raramente ser citado nas matérias que tratam da família real inglesa, fez que  a maioria do público que as acompanha desconhecesse sua trágica histórica. John Charles Francis nasceu em 12 de julho de 1905. Quatro anos depois foi diagnosticado com eplepsia e, acreditava-se, sofria de algum tipo de deficiência intelectual, possivelmente autismo.  Quando sua saúde se fragilizou ainda mais, foi enviado para Sandringham House,  e mantido longe dos olhos do público. Tinha uma governanta, Lala, que o incentivava e estimulava na aprendizagem, e a fazer amizade com as crianças locais.  Sob sua tutela, John se desenvolveu bastante, apresentou melhoras e progresso.  Foi nessa residência que John morreu em 18 de janeiro de 1919,  após grave crise convulsiva. O público em geral só tomou conhecimento de sua doença após sua morte e a reclusão a que foi submetido foi usada como prova de desumanidade da família real. No entanto, há fortes evidências de que ele recebia dos pais e, principalmente do irmão George,  muito amor, carinho e atenção.  O filme The Lost Prince, de 2003,  produção da BBC, com elenco de alto nível formado por Miranda Richardson, como Queen Mary, a mãe; Gina McKee, Lala; Tom Holander, Rei George V.  Outros renomados artistas como Michael Gambon,  Bill Nighy,  Ingeborga Dapkunaite, também participam da excelente produção, que mostra bastidores da vida real inglesa e prova que, independente de títulos e honrarias, os drama humanos são sempre os mesmos em qualquer época, em todas as camadas sociais, em  toda parte enfim, onde existam homens e mulheres.  

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras