Traição

Por: Maria Rita Liporoni Toledo

362287
Disputado pelas moças da cidade, fora traído de forma ignóbil pela esposa, anos depois. Henrique era presença constante nos bailes do clube local e não perdia uma só seleção de músicas, alternando as parceiras, tantas eram as que queriam uma rodopiada com ele. Era lindo, traços finos, moreno, alto, cabelos compridos levemente enrolados na nuca,  tinha porte e elegância de um ator de cinema. Provocava suspiros nas jovens casadoiras, mas o que elas não conheciam era sua excessiva timidez. Quando a orquestra iniciava os primeiros acordes, Henrique tremia, mas disfarçava e, um pé a frente, saía para convidar as mocinhas que estavam todas olhando para ele na esperança de serem escolhidas. A timidez o abandonava e ele se transformava em um exímio dançarino, forte, acolhedor, sensual. Pouco falava, sua voz eram seus passos.
                
Não se casou com nenhuma delas, por ser tímido sentia-se inseguro se tivesse que conversar com uma moça a sós ou com sua família. Encontrou Heloísa, uma graciosa forasteira, vinda da capital, ousada e faceira que o empurrou ao altar. Nasceram três filhos o que ocupou sua esposa por um bom tempo, ele a amava e eram felizes. Eles conviviam com sua timidez e ela o entendia. A sua vida pessoal estava bem organizada, dirigia sua pequena indústria que prosperava rapidamente. Logo, necessitou de um sócio.
 
Seguro de ser amado, era uma pessoa forte, mas em quão frágil se transformou ao saber que fora traído. Sustentava-se na pessoa dela. Após ser enganado, a terra fugia aos seus pés, seu coração batia descompassadamente, seus olhos marejavam. Aquele homem de aparência desejável e físico acentuado estava sem norte. Seu desconsolo e inibição aumentavam a sensação de perda. Sua mágoa maior foi por não poder mais confiar e apoiar-se nela. Perdeu-a e perdeu-se.
               
Heloisa exigiu que ele deixasse sua casa, construída por Henrique, com todo zelo, com seu trabalho e recursos, pois ficaria morando com os filhos. Ele concordou e mudou-se. Seu sócio aboletou-se, como diria Machado, confortavelmente, em seu antigo lar.
 
         

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras