Liberdade Sincera

Por: Ligia Freitas

365172
Libertei-me das armas ocultas de destruição.
Libertei-me dos deuses internos,
Quimera que espera a vida passar
Por entre as flores.
 
Libertei-me das marquises barrocas, 
Do arcaísmo escancarado, 
Escravo do precipício da atenção.
 
Sigo sem remorso, sem esperar o além.
Além disso, além daquilo, alentejo,
Além do bojador, além da dor,
Além de ser outro alguém.
 
Blasfêmia para os arautos da perfeição,
Para os cheios de pudores e rumores,
Disfarçados de eunucos do harém.
 
A vida é simples e sincera.
Só é vivo quem espera,
Só é triste quem trilha o caminho
Contrário da libertação.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras