Palavras ao vento 

Por: Ligia Freitas

366312
Bendito o tempo que para 
Ao ver a gargalhada de um filho para o pai.
Benditas as pernas entrelaçadas,
Bendita a mãe que se contenta
Ao ver-se para trás.
 
Benditas as flores que nascem 
Entre os espinhos.
Bendito o sol que é soberano 
E deixa tudo comezinho.
Benditas as horas faceiras, 
As águas que formam a correnteza.
 
Bendito o fruto, o engenho,
Benditas as rodas do moinho.
Bendita a semente que germina 
Até no desalinho.
E se o vento é o mesmo para todos,
Benditos aqueles que o sentem no rosto.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras