Nem sempre

Por: Angela Gasparetto

372196
Nem sempre sou flor,
Mansidão e poesia;
Quase sempre sou espinho;
Tempestade e ventania;
 
Porque a doçura tem reverso
De dor e alegria;
Pois sempre sou notívaga
Andarilha de sonhos tolos;
Parceiros de fantasia.
 
Nem sempre sou água rasa,
Claridade ou simetria;
Muitas vezes sou obscuridade;
Lado a lado com a esquizofrenia
 
Porque a mente vagueia,
Insana, sem maestria;
E o coração corre desesperado, por esta vida louca,
Fugaz e sombria.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras