Um romance espírita

Por: Maria Emília Santos

373279
A romancista Eliana Machado Coelho alcançou a marca de vinte livros publicados, dois milhões de exemplares vendidos e completa 15 anos de parceria com a editora Lúmen. Para comemorar este feito, ambas, autora e editora, lançam o livro A Certeza da Vitória, o novo romance ditado pelo espírito Schellida, que encantará o leitor. 
 
Nesta incrível obra, a autora aborda as relações conflituosas que envolvem família, namoro, traição, espíritos atormentados, relacionamentos difíceis entre amigos, mortes irreparáveis, lei do retorno, segredos e a transformação dos problemas em força e coragem.
 
 A emocionante história de Isabelle carrega uma importante lição sobre superação, amor e espiritualidade. Após a morte de Dulce, sua mãe, acontece uma reviravolta na vida da jovem e de seus dois irmãos. Antonio, seu, pai, encontra muita dificuldade para lidar com os acontecimentos em sua família e a vê se desfazendo aos poucos. 
 
Ele se casa novamente com uma amante, que leva seus filhos extraconjugais para viverem na casa de Isabelle, que fica inconsolável, assim como os irmãos. Por esse e outros motivos, a jovem é incapaz de perdoar o assassino de sua mãe. 
 
Já na faculdade, Isabelle conhece Rodrigo e os dois se apaixonam. Após algum tempo de namoro sério, ele pensa em casamento, mas descobre que seu pai, Nélio, foi o homem que matou a mãe de Isabelle. 
 
Em paralelo a isso, a autora faz um relato comovente de como Dulce, no plano espiritual, não aceita sua própria morte e os acontecimentos que se desenrolam a partir desse fato. Existe muito mais do que apenas um acidente por trás desta história, e o seu espírito tenta transmitir isso aos filhos encarnados. 
 
O tempo passa e uma fatalidade, inimaginável, acontece com Isabelle que perde a alegria de viver... mas com muita coragem, determinação e a ajuda de pessoas especiais, ela reencontra o sentido da vida. 
 
Nascida em São Paulo, na capital, a médium Eliana Machado Coelho sempre esteve em contato com o Espiritismo desde a mais tenra idade. Quando pequena, a vidência já se manifestava pela presença de uma linda moça, traços muito delicados, aparentando cerca de vinte e cinco anos, de uma candura bela, um sorriso doce e envolta em uma aura quase violácea... Era o espírito Schellida, que já preparava a médium para o trabalho. Aos vinte anos, a vidência e a clariaudiência afloraram. 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras