Pizzomunno e Cristalda

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

379058

Reza a lenda que há milhares de anos morava no povoado de Vieste, na ponta do Gargano, norte da Puglia, Itália, um pescador belíssimo de nome Pizzomunno que ia todas as manhãs para o Adriático jogar sua rede no alto mar e pescar produtos para vender e assegurar seu futuro casamento com Cristalda, a mais bela moça do local, de cabelos longos e loiros, que o esperava todas as tardes na praia, quando ele voltava com seus companheiros de pesca. Dizem que era verdadeira festa o reencontro diário dos jovens enamorados. Certo dia, uma sereia, ao ver o belo Pizzomunno se enamorou perdidamente e tentou, de todas as maneiras, conquistá-lo. Em vão. Ela cantou suas canções de encantamento, buscou outras com sereias mais experientes, mas ele jamais as ouviu, fiel que era à sua bela Cristalda. Preterida e ferida em seu orgulho, a sereia resolveu se vingar. Certo dia, cega de ciúmes e despeito, roubou Cristalda do barco de Pizzamunno no momento em que eles se distraíram durante inocente passeio de barco e a levou para o fundo do mar. O rapaz em vão chorou, lamentou, culpou-se, propôs ir com ela, no lugar da amada, sacrificando-se. A sereia sentiu-se vingada, com sua honra, recuperada. Porém foram tantas as manifestações de repúdio, que ela viu-se obrigada a ouvir as sereias mais velhas, que compreenderam a dor de Pizzamunno. Uma vez, a cada cem anos, na noite do dia 15 de agosto, Cristalda volta à praia para se encontrar com seu amado, passam a noite juntos, se amando. Quando amanhece, ela volta para o mar e ele retoma sua forma de imensa rocha, que fica plantada na praia, olhando para o mar, à espera de que os próximos cem anos passem depressa e ele volte a se encontrar com Cristalda. Dizem, desde então e ainda hoje, dar a volta no bloco, a pé, sozinho ou acompanhado, faz que qualquer desejo de amor seja atendido.
  

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras