13/06/2018 - Reportagem de Edson Arantes

Morre idoso que se casou por engano com golpista

O lavrador João Ipólito,79, que morava em Restinga, morreu na manhã de hoje na Santa Casa. Ele estava internado desde domingo por causa de uma queda que provou a fratura do seu fêmur. Segundo o atestado de óbito, a causa foi insuficiência de múltiplos órgãos.O idoso era uma das vítimas que constava de inquérito aberto pelo Ministério Público para apurar a prática de golpes que uma comerciante de Franca estaria aplicando em pessoas em situação de vulnerabilidade. Dona de um bar frequentado por garotas de programa, a mulher é acusada de se apoderar de bens em troca de relações sexuais.Em 2016, o lavrador se casou no papel com a comerciante. “O ato aconteceu em sigilo, sem a presença de qualquer testemunha. Foi totalmente secreto. O senhor nos relatou que foi ao cartório para assinar documento referente ao testamento inventário da esposa falecida”, disse o promotor de Justiça Murilo Jorge.O lavrador só descobriu que estava casado quando começaram a chegar cartões de crédito em sua casa. Contas tinham sido abertas e financiamentos feitos em seu nome. A comerciante comprou um carro, celular e sacou cerca de R$ 20 mil em nome do “marido”. “Eles não tinham rotina nenhuma de casados. Está claro que o senhor foi enganado”.O idoso foi orientado a, imediatamente, anular o casamento, mas morreu antes que o ato fosse revertido. Em tese, a mulher terá direito à herança, pois, oficialmente, consta como esposa do lavrador.João Ipólito foi sepultado na tarde de hoje em Restinga com trabalhos da Funerária Nova Franca.

Dúvidas, sugestões, reclamações?

Whatsapp GCN

16.99122-0761

0 COMENTÁRIO
COMENTE
A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o

Código de Conduta On-line do GCN.

Li e concordo com o código de conduta online.