06 de maio de 2021

Opinião

O Esplendor de Cristo

Opinião 28/02/2021
Mons. José Geraldo Segantim
Especial para o GCN
O Segundo Domingo da Quaresma traz no Evangelho a transfiguração de Cristo no Monte Tabor. 

A Transfiguração é como que a antecipação da Glória da sua Ressurreição. Meditemos sobre a glória do Senhor. 

 

Primeira Leitura: Gn 22.

Os primeiros dois versículos desta leitura levantam imediatamente um problema: Como é possível que Deus peça a um homem que sacrifique seu próprio filho?

O ensinamento dessa passagem, porém, se refere à fidelidade de Abraão. Ele acreditou cegamente em Deus: abandonou a terra, renunciou à segurança que encontrava na sua própria casa e à proteção que lhe era proporcionada pela família e pela tribo à qual pertencia. 

Segunda leitura: Rm 8.

Na metade da sua carta, Paulo, depois de ter analisado o projeto que Deus quer realizar, isto é, a salvação de todos os homens, não pode deixar de gritar toda a sua alegria: “Se Deus está conosco, quem será contra nós”? 

Deus, o único que poderia servir de testemunha e que sabe como aconteceram de fato as coisas, não pode acusa-los porque os amou tanto, a ponto de entregar-lhes seu próprio e único filho. 

Essa leitura, curta, é muito linda. Revela como o amor do Pai é definitivo e gratuito e como não pode ser destruído por nenhum pecado e por nenhuma infidelidade humana. 

Evangelho: Mc 9

Todos os anos, no segundo domingo da Quaresma, a liturgia da Palavra nos apresenta o tema da Transfiguração de Jesus. 

A narrativa começa dizendo que Jesus se retirou para um monte muito alto, num lugar solitário, com três dos seus discípulos.

Trata-se dos mesmos que também foram testemunhas da sua agonia no Getsêmani.

No versículo 2 fala-se de uma alta montanha. A tradição cristã localizou a transfiguração de Jesus no Tabor, uma linda montanha, coberta de pinheiros, de carvalhos e de terebintos, isolada, no centro de uma grande planície. 

Na montanha a Bíblia situa os grandes encontros com Deus, as grandes manifestações do Senhor aos homens. 

A mensagem central da narrativa encontra-se exatamente neste patamar: para instaurar o Reino que Jesus, durante a transfiguração, deixa entrever aos seus discípulos, é necessário passar através do sacrifício da própria vida. 

Não é possível entrar no Reino de Deus por atalhos, como Pedro tenta fazer. É necessário que todos os discípulos sigam com coragem o percurso trilhado pelo Mestre.   



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Andre
    02/03/2021
    Uma pessoa temente a Deus jamais deveria participar de algo relacionado a um meio de comunicação desses.
Veja mais José Geraldo Segantin

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001