ONDE ESTÃO OS LEITOS?

ONDE ESTÃO OS LEITOS?

Alexandre diz que Santa Casa tem que explicar leitos e pede ação do MP

Alexandre diz que Santa Casa tem que explicar leitos e pede ação do MP

Prefeito notificou DRS (Departamento Regional de Saúde) dizendo que Santa Casa de Franca estava colocando os números errados no sistema. A divergência no número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) vem desde a última sexta-feira, 7, quando Alexandre Ferreira (MDB) anunciou a abertura de mais cinco leitos do hospital, mas até o momento esses leitos não foram instalados.

Prefeito notificou DRS (Departamento Regional de Saúde) dizendo que Santa Casa de Franca estava colocando os números errados no sistema. A divergência no número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) vem desde a última sexta-feira, 7, quando Alexandre Ferreira (MDB) anunciou a abertura de mais cinco leitos do hospital, mas até o momento esses leitos não foram instalados.

Por Kaique Castro | 13/01/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por Kaique Castro
da Redação

13/01/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Kaique Castro

Alexandre Ferreira: 'nós notificamos a DRS formalmente dizendo que a Santa Casa estava colocando os números errados no sistema'
A divergência nos números de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) dos boletins Covid-19 da Prefeitura e da Santa Casa de Franca pode ganhar um novo capítulo. Tudo isso porque na tarde desta quinta-feira, 13, o prefeito Alexandre Ferreira (MDB) disse que o hospital terá que se explicar ao DRS (Departamento Regional de Saúde) e ao Ministério Público.
 
O prefeito, após anunciar novas medidas para o enfrentamento contra a Covid-19, foi questionado sobre a divergência dos números de leito. Na semana passada, ele havia anunciado a abertura de cinco leitos de UTI na cidade.
 
"A Santa Casa (é) quem vai responder isso (sobre a divergência), não a Prefeitura. Nós fizemos uma reunião ontem (12) com a Santa Casa, DRS e o promotor público. Eu disse para eles o seguinte: 'a minha parte que é a atenção básica nós estamos fazendo. O atendimento hospitalar é da Santa Casa'. Nós notificamos a DRS formalmente dizendo que a Santa Casa estava colocando os números errados no sistema. O Estado notifica, que respondem que vão retomar os leitos. Aí, ontem (12) fomos dizer para o DRS que os leitos não voltaram", afirmou textualmente o prefeito.
 
Ainda segundo o prefeito Alexandre, nesta reunião ele exigiu que seja feito uma vistoria e fiscalização na Santa Casa. 
 
Alexandre contou que o hospital mandou um médico que não respondia pela administração da Santa Casa, por isso marcou uma nova reunião para esta sexta-feira, 14.
 
"Foi só um médico na reunião. O diretor não foi, a diretoria administrativa não foi, mandaram só um doutor lá que era diretor técnico, clínico não sei. Mas ele disse que não respondia pela administração do hospital. Por isso amanhã terá uma nova reunião dentro da Santa Casa para resolvermos isso", concluiu o prefeito.
 
Entenda a polêmica
 
Desde a última sexta-feira, 7, quando o prefeito Alexandre Ferreira anunciou cinco novos leitos de UTI na rede pública, eles não aparecem no boletim da Santa Casa nem da Prefeitura de Franca. 
 
Na segunda-feira, 10, quando a Santa Casa informou que todos os seus 15 leitos estavam ocupados, a reportagem questionou sobre os novos leitos e sobre a especificação deles, quantos de enfermaria e de UTI. Mas a Santa Casa afirmou que não detalharia os leitos segundo a complexidade.
 
Nesta quinta-feira, 13, os números dos boletins ainda estão confusos para a interpretação correta da realidade dos leitos em Franca. 
 
Enquanto a Santa Casa afirma que possui somente dois leitos disponíveis (um adulto e um infantil, sem especificar enfermeira e UTI).

A Prefeitura, por sua vez, diz em seu Boletim Epidemiológico que 9 leitos dos 15 disponíveis estão ocupados. No número de enfermaria, são computados os públicos e particulares: 16 ocupados dos 28 disponíveis.
A divergência nos números de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) dos boletins Covid-19 da Prefeitura e da Santa Casa de Franca pode ganhar um novo capítulo. Tudo isso porque na tarde desta quinta-feira, 13, o prefeito Alexandre Ferreira (MDB) disse que o hospital terá que se explicar ao DRS (Departamento Regional de Saúde) e ao Ministério Público.
 
O prefeito, após anunciar novas medidas para o enfrentamento contra a Covid-19, foi questionado sobre a divergência dos números de leito. Na semana passada, ele havia anunciado a abertura de cinco leitos de UTI na cidade.
 
"A Santa Casa (é) quem vai responder isso (sobre a divergência), não a Prefeitura. Nós fizemos uma reunião ontem (12) com a Santa Casa, DRS e o promotor público. Eu disse para eles o seguinte: 'a minha parte que é a atenção básica nós estamos fazendo. O atendimento hospitalar é da Santa Casa'. Nós notificamos a DRS formalmente dizendo que a Santa Casa estava colocando os números errados no sistema. O Estado notifica, que respondem que vão retomar os leitos. Aí, ontem (12) fomos dizer para o DRS que os leitos não voltaram", afirmou textualmente o prefeito.
 
Ainda segundo o prefeito Alexandre, nesta reunião ele exigiu que seja feito uma vistoria e fiscalização na Santa Casa. 
 
Alexandre contou que o hospital mandou um médico que não respondia pela administração da Santa Casa, por isso marcou uma nova reunião para esta sexta-feira, 14.
 
"Foi só um médico na reunião. O diretor não foi, a diretoria administrativa não foi, mandaram só um doutor lá que era diretor técnico, clínico não sei. Mas ele disse que não respondia pela administração do hospital. Por isso amanhã terá uma nova reunião dentro da Santa Casa para resolvermos isso", concluiu o prefeito.
 
Entenda a polêmica
 
Desde a última sexta-feira, 7, quando o prefeito Alexandre Ferreira anunciou cinco novos leitos de UTI na rede pública, eles não aparecem no boletim da Santa Casa nem da Prefeitura de Franca. 
 
Na segunda-feira, 10, quando a Santa Casa informou que todos os seus 15 leitos estavam ocupados, a reportagem questionou sobre os novos leitos e sobre a especificação deles, quantos de enfermaria e de UTI. Mas a Santa Casa afirmou que não detalharia os leitos segundo a complexidade.
 
Nesta quinta-feira, 13, os números dos boletins ainda estão confusos para a interpretação correta da realidade dos leitos em Franca. 
 
Enquanto a Santa Casa afirma que possui somente dois leitos disponíveis (um adulto e um infantil, sem especificar enfermeira e UTI).

A Prefeitura, por sua vez, diz em seu Boletim Epidemiológico que 9 leitos dos 15 disponíveis estão ocupados. No número de enfermaria, são computados os públicos e particulares: 16 ocupados dos 28 disponíveis.

3 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Juarez
    14/01/2022
    Eu tenho a resposta porque eu vi ,os leitos estão dentro de um buraco no asfalto só não tenho a certeza em qual bairro pois tem por todos os lugares ,mais com um pouco de paciência achamos
  • Darsio
    14/01/2022
    É fundamental que se abram novos cursos de medicina e que se amplie o número de vagas nos que já existem. As entidades corporativistas são contra isso, sob o discurso de que isso poderia comprometer a qualidade dos serviços e colocar a sociedade em risco. É pura demagogia, pois na prática o que buscam é manter a oferta de médicos muito baixa para que assim os preços dos serviços sejam escandalosamente elevados. Se estão tão preocupados com a socioedade, por qual motivo cobram preços absurdamente elevados mediante a realidade de milhões de brasileiros? Afinal, quantos cidadãos possuem condição de pagar uma consulta de no mínimo R$ 400,00? E, olha que nada disse sobre a provavel necessidade de realizar exames que, como sabemos também implicam em preços exorbitantes. Em outras palavras, podemos afirmar que serviços médicos e os planos de saúde decentes são uma realidade apenas para poucos. É fundamental combater o corporativismo e ampliar a oferta de profissionais da saúde. Além do mais, os que se formam em universidades públicas ou com bolsas do governo, também deveriam reembolsar a sociedade com maior prestação de serviços.
  • Gabiroba
    14/01/2022 1 Curtiu
    Isso ai Xandão! Aproveite que hj vc acordou anticorrupção e já pede pro MP investigar as luzes do natal e as barbaridades que cometou junto com a Acif. Aí é bom que economiza tempo, faz um 2 por 1 no MP.