Pedrinho e Pedrão

Por: Chiachiri Filho

Pedro Everemont era o nome completo de Pedrinho. Pedrão chamava-se Pedro Eugênio. Ambos franceses, irmãos maristas e professores do inesquecível Colégio Champagnat.

Tive aulas com o irmão Pedrinho, aulas de matemática, matéria em que ele se destacava como um profundo conhecedor. Substituiu o irmão Desidério, afastado das aulas e da titularidade do último ano do curso secundário em virtude de uma crise depressiva. Embora bem velhinho e já aposentado, o irmão Pedrinho deixou de lado as suas grandes distrações, a caça e a pesca, e assumiu a classe.

Apesar de compartilharem a mesma nacionalidade, Pedrinho e Pedrão eram bem diferentes. O primeiro, comedido, suave, metódico, meditativo, silencioso, educado. Parecia ter pertencido à corte de Richelieu. O segundo, explosivo, retaco, barulhento. Parecia ter saído das fileiras do exército napoleônico.

Pedrão, além de cuidar da livraria, dava aulas de Geografia. Não raras vezes, podia-se vê-lo dando algumas bofetadas em certos alunos indisciplinados. Era o seu jeito: a bofetada não era para machucar, mas sim para corrigir.

Pedrão não foi meu professor. No entanto, pude aprender muito com ele. Nos corredores do Champagnat , ele me deu lições de vida. Voz forte, olhar ao mesmo tempo enérgico e bondoso, ia mostrando-me os caminhos e as atitudes que eu deveria assumir ao longo das jornadas. Corajoso e sincero, não se omitia em falar o que pensava e criticar tudo aquilo que considerava errado. Certa vez, sentado na antesala da Reitoria, ele me chamou e desabafou:

—Esse Reitor ( referia-se ao irmão José Francisco, o popular Barba Azul ) não passa de um grande puxa-saco. Ele só gosta de bajular os ricos e poderosos.

Entre eu e o irmão Pedro Eugênio havia uma simpatia recíproca. Foi para mim um grande mestre que, fora da sala de aula, deu-me excelentes lições de comportamento, moralidade, espiritualidade e humanidade.

Pedrinho, com sua genialidade, e Pedrão, com sua sinceridade, foram duas figuras que ornaram e enriqueceram a história do Colégio Champagnat que tanta influência teve na formação de várias gerações de francanos.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras