O caminho de Olavo

Por: Mirto Felipim

De tanto amar, Olavo se perdeu.

Bebeu, cheirou, fumou, brigou, matou e, em espirais

nunca DANTES exploradas, desceu.

Entregou seu mundo, alugou a alma, foi ao fundo do poço

e, até agora, não voltou.

Ela, por sua vez, até já casou.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras