Voltando à questão da meia-idade

Por: Everton de Paula

Você, caro leitor, que já é cinqüentão, já se olhou no espelho e teve a súbita sensação de que sua mulher anda dormindo com outro homem? Pois é, você é o outro homem, diferente daquele de há vinte ou quase trinta anos passados.

Vai-se ao bar. Senta-se. Pede um chope gelado e uns petiscos. Chegam os dois companheiros e a coisa começa:

- Pô, meu, você está acabado!

- Nem vem! Olha quem fala! Barrigudo e andando de lado...

- Desenruga a testa, desenruga a testa...

- Mas como, se estou normal?

- Então a coisa está mais feia do que parece...

E a gozação segue chope a fora.

Lembramos de uma tirada da internet: a vida é constituída de quatro garrafas: 1) a mamadeira; 2) a coca-cola; 3) o chope: 4) o soro fisiológico. Pois é: já estamos no chope, e olha que já faz tempo. Eu até tomei um sorinho dia desses!
- Por quê? Pressão alta?

- É, meu: estava 38 por 23!

- Santo Papa, você está bêbado!

- E quando você vai ao supermercado e vê aquela beldade loira no caixa, chega todo pimpão, descansa as compras na esteira, lança um olhar à Marlon Brando e ergue duas ou três vezes as sobrancelhas, pensando que está abafando. Aí, a beldade descansa o chiclete num canto da boca e, com uma voz infantil, diz pra você: “Vai levar só isso hoje, tio?”

- Marlon Brando? Cara, você está velho, passou da meia-idade!

- Mas tem as suas vantagens. Depois dos sessenta, você já é considerado idoso. Aí você pode estacionar seu carro em lugares privilegiados, evitar as filas imensas nos bancos, ser atendido primeiro nas consultas médicas, pagar meia-entrada nos cinemas...

- Mas você não sabe a maior!

- Qual?

- O meu bom e leal amigo Lincoln Bueno Alves, advogado e delegado de cartório do 1º Registro de Imóveis de Franca, veio com uma assustadora: segundo ele, o Estatuto do Idoso considera o cidadão com mais de sessenta anos mentecapto presumível...

- Como é que é? Só pode ser gozação do Lincoln!

- Mas é isto mesmo! Se você cometer uma asneira qualquer num determinado grupo social, será considerado normal, pois você já está gagá! O máximo que poderão fazer é lhe perguntar:

- O senhor está passando bem, meu bom velhinho?

- Bom velhinho não é o Papai-Noel?

- Entãããão, entããããooo ... Você já está entrando no clima!

- Ah, não venha com essa não. Quer dizer então que eu posso fazer xixi na fonte luminosa do centro da cidade...

- E os transeuntes o olharão com bondade e comiseração. Afinal você é um mentecapto presumível. Pode dar gafes à vontade, tem direito a isto, já chegou à idade e...

- É isto que a gente tem que ouvir depois do quinto chope!

- E depois dos sessenta anos!

- Mas e a sabedoria, meu caro, a experiência, a tolerância, o conhecimento de vida e das pessoas...


- Ah, disso os asilos estão cheios. Mas calma: 60 ou 75 anos vai dar na mesma. Explico: imagina que sua vida seja representada por três velas, cada uma com 25 anos de existência. Quando você faz cinquenta anos, significa que você já queimou duas velas da sua vida, restando-lhe apenas uma inteira...

- Ou um toquinho...

- Quá, vocês estão bêbados. Minha vida por um fio... De vela, ainda por cima!

Vem o garçom e serve mais três chopes.

- Mas eu tenho uma ideia comigo.

- Qual é, qual é? Qualquer coisa, menos o soro!

- Eu tenho sessenta anos e não me considero homem de meia-idade.

- Não? E o que você é? Um brotinho?

- Não, cara! Se meia-idade é a metade da idade de um homem, eu pergunto se você vê com frequência homens com 120 anos de idade... Vê?

- ...

- !!!

Segue nova rodada de chope.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras