A herança portuguesa

Por: Chiachiri Filho

Antônio d’Almeida nasceu em Portugal. Veio para o Brasil e morou no Rio de Janeiro. Na capital da República, participou de vários movimentos políticos, greves, passeatas, comícios. Antônio gostava de uma agitação política. Era um anarquista, um anarquista luso-brasileiro. Veio para Franca e aqui constituiu família. Sempre inquieto, o casamento não foi suficiente para controlar os seus impulsos revolucionários. No jornal de meu pai, o Diário da Tarde, ele escrevia artigos violentos e contestadores. Utilizava-se de vários pseudônimos. O que mais combinava com o seu temperamento era o de Resolvido. Daí Antônio passou a ser chamado e conhecido como Antônio d’Almeida Resolvido. Resolvido morreu em Portugal onde deixou alguns bens para serem inventariados e partilhados entre seus herdeiros.

Anos depois de seu falecimento, os herdeiros francanos foram chamados para se pronunciarem sobre a partilha. Uma pequena comitiva chefiada por Gualtinho, seu neto, e integrada pelo Paulo de Tarso e pelo Ulisses, partiu para Portugal. Os bens não eram de grande monta e nem sei se deram para cobrir as despesas com a viagem. Porém, as aventuras foram muitas e hilariantes, das quais fiquei sabendo algumas.

Do Hotel em que estavam instalados, Gualtinho pediu uma ligação para o Brasil.A telefonista atendeu-o prontamente e perguntou-lhe o número do telefone, o seu nome e o nome da pessoa com quem queria se comunicar. Ao dizer que queria falar com Gualter, a telefonista, perplexa, interrompeu-o :

—Ora, raios! Se o Senhor quer falar consigo mesmo, uma ligação local é mais rápida e menos custosa.

Na volta, a comitiva teve de fazer algumas baldeações. Na pressa, pegaram um avião dessas aerolíneas latino-americanas. Gualtinho sentou-se ao lado de uma peruana. Comunicativo como sempre, foi logo entabulando conversação com a jovem que, dentre outras , disse-lhe que gostava de novidades.. Tão logo ela falou, o comandante da aeronave informou aos passageiros que iria fazer um pouso emergencial em Mato Grosso para reparos no avião. A moça peruana olhou espantada para Gualtinho, Gualtinho olhou para moça e disse:

—Já que gosta de cosas nuevas, ao que parece vais morrer pela primeira vez .

Felizmente, o Zezinho mecânico consertou o avião e eles aterrissaram sãos e salvos em Guarulhos.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras