A marcha da maconha

Por: Chiachiri Filho

O prezado leitor, porventura ou desventura, já puxou um fuminho, já queimou um baseado? Gostou ou detestou? Parou ou continuou? Teve alguma sensação diferente ou nada mudou em seu organismo?

Nunca fumei a erva maldita, se bem que o tabaco não é lá nenhuma “erva bendita”. Com muito custo aprendi a consumir o tabaco e com muito custo tento largá-lo e ainda não consegui. Vício é vício e, uma vez adquirido, insiste em nos acompanhar pelo resto da vida.

Hoje em dia, é mais difícil ser um tabagista do que um maconheiro. Não se pode fumar em recintos públicos ou privados, em festas, aglomerações. Estão querendo proibir o tabaco até em praças e vias públicas. O fumante é um discriminado, um excluído, um contraventor. Basta que ele acenda um cigarro para que inúmeros olhos e narizes alérgicos voltem-se para ele no sentido de denunciá-lo e puni-lo.

Por outro lado, o maconheiro queima livremente o seu baseado, exalando aquele cheiro adocicado e desagradável de merda de vaca queimada, em qualquer canto, em qualquer lugar. Usar pode, o que não pode é traficar.

Se ninguém é preso por fumar maconha, o que pretendem os participantes da marcha? Que o tráfico seja liberado? Que se possa comprar o produto em qualquer bombonière devidamente embalado por uma antiga marca de cigarros?

A decisão do Supremo Tribunal Federal, que vem se destacando pelo seu jurisdicismo libertário, permitiu as passeatas em defesa da descriminalização da maconha e não da sua apologia. Portanto, as marchas não poderão ter cartazes como:

“A maconha faz bem à saúde. Fume um baseado por dia e sinta o prazer do relaxamento. Plante a erva.”

Se a marcha da descriminação da maconha é legal, por que não a da cocaína, a do crack, a do ópio, a do êxtase? E viva o país das liberdades!

— Allez enfants de la maconhe. Fumem, cheirem, injetem e morram. Morram com prazer e dentro da legalidade. Porém, não perturbem o trânsito e a ordem pública, não corrompam a nossa juventude, não ataquem e roubem as nossas propriedades.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras