Roupa nova

Por: Luiz Cruz de Oliveira

139245

Os pezinhos transpõem a porta, viajam pela estrada de cimento, estacam diante das grades do portão. A boca e os olhos arregalam.

- Manhêêêêêê!

A preocupação desabala desde o interior da casa, um coração aos saltos abraça a criança.

- Que foi, que foi?

O dedinho indicador gesticula e fala, mas é linguagem de mudo. A boca custa a obedecer.

- Trocaram a árvore... Trocaram a árvore da rua...

A mulher também demora, mas finalmente compreende: o ipê amarelo florira.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras