Saudades de filha

Por: Farisa Moherdaui

Todas as pessoas têm o direito de gostar ou não gostar disso ou daquilo e, se assim não fosse, que sem graça e monótonos seriam os nossos dias.

Mas falando hoje do meu saudoso pai, desde garota ainda e por todo o tempo em que vivemos juntos era aquele faz de conta como se gostássemos das mesmas coisas, mas hoje não é bem assim. Que pena!

- Perfume, seja ele o de melhor fragrância, não gosto e até procuro não estar perto de pessoa perfumada, mas sinto saudades do perfume que meu pai usava,”Royal Bryar”, acredite.

-Do fogão e das panelas também procuro ficar longe e só chego perto para me servir do que está dentro, mas saudades eu tenho de quando meu pai, lá em Rifaina, cozinhava aquelas costelas de boi e me chamava para mexer a panela ou descascar cebolas; eu fazia com prazer.

-Passar roupas, o calor do ferro me incomoda e se passo a manga, amasso a gola, mas os colarinhos do meu pai eram impecáveis, só elogios.

-Arrumar armários e gavetas nem pensar, acho difícil e incômodo aquele abaixa e levanta, mas as gavetas do meu pai eu as deixava de tal modo que ele dizia encontrar tudo até de olhos fechados.

-Não gosto de pipoca e muito menos do cheiro que se espalha pela casa toda, mas papai e eu comíamos uma bacia de pipoca que eu preparava e que ele dizia gostar porque eu não deixava nenhum piruá.

-Acho difícil ouvir histórias repetitivas, mas me encantava sempre as histórias que papai contava, fosse da sua terra distante ou do seu trabalho no açougue, no armazém, das notícias dos jornais que ele lia muito, do seu tempo de namoro com a minha mãe, e outras tantas que nunca me cansei de ouvir.

-Jogos de cartas não gosto, mas como era bom e divertido brincar ao lado do meu pai em jogos de paciência.

E são tantas outras coisas que hoje me dou ao luxo de dizer que não gosto ou não faço, mas que ao lado do meu pai eram só alegria. Que vontade de ter de volta tudo aquilo que passou.

Pai, de saudades há quem não gosta porque machucam, mas eu gosto de sentir, e muito, saudades de você, tá?

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras