Expresso da Alegria

Por: Luiz Cruz de Oliveira

A minha viagem literária muito dificilmente se faz por estradas planas. Aliás, ao contrário. O caminho tem-se caracterizado sempre pelas curvas e sinuosidades.

A minha viagem pela vida (tão rápida!) tem-se caracterizado também por tropeços e por quedas formidáveis.

Em ambas as caminhadas (e isso me foi fundamental), houve sombras que me agasalharam ao meio -dia e houve luzes que me guiaram à meia-noite. Graças a essas intervenções, vivo e escrevo.

Expressinho foi-me um desses apoios.

Conhecemo-nos no Salão do Japa, quando ele estava localizado diante da minha residência, lá na Rua Estevão Bourroul. E naquela época distante, o Expressinho, sujeito muito inteligente, já exercia as atividades ensinadas pelo Barão de Drumond. E, já naquela época, o meu amigo já explicitava sua permanente arte: inventava histórias alegres e criava situações estrambóticas, envolvendo desavisados amigos.

De quatro em quatro anos, candidatava-se a vereador e fazia da campanha eleitoral o picadeiro maior donde alcançava o público com suas brincadeiras repletas de humor e graça.

Era sempre bem votado: uma vez recebeu sete votos e, noutra, dezesseis eleitores

Escolheram o seu nome. Numa eleição não ficou tão distante da vitória. Mais de trinta cidadãos externaram seu descrédito nos políticos e sufragaram o nome do Expressinho no dia das eleições.

Algumas de suas promessas eleitorais, ficaram famosas. Uma meia dúzia delas, registrei-as em crônicas e em livros. Eram quase sempre esdrúxulas: colocar brinco em todos os orelhões da cidade, plantar limoeiros nas calçadas, diante dos botecos, a fim de baratear o preço da caipirinha.

Essas promessas estúrdias eram divulgadas em “santinhos”, em que imprimia frases rimadas:

Você que está preso, que vive no xadrez,

Vote no Expresso desta vez.

Não dou camiseta, nem boné

Vote em mim quem quisé.

Semana passada, na loteca universal, o nome do Expressinho apareceu. Sorteado, viajou para outra morada. Soube de sua partida pelo jornal. Soube tarde, sequer pude me despedir do amigo.

Senti muito a separação. Agora, minha viagem pela vida fica menos alegre.

Minha viagem literária fica mais triste.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras