Vizinhos

Por: Maria Rita Liporoni Toledo

“Entra vizinho e come do meu pão e bebe do meu vinho. Aqui
estamos todos a bailar e a cantar, pois descobrimos que a vida
é curta e a lua é bela”.

Recado ao Senhor 903,
Rubem Braga.

Como é bom ter vizinhos, poder vê-los e interagir com eles! Eles nos oferecem contato humano, tão necessário a nossas vidas. Quem mora em casas, pode observá-los melhor. Logo pela manhã, os ruídos se alternam: vozes de pessoas, portões se abrindo, carros acelerando e até os não muito agradáveis latidos de cães. A rotina diária começa, faça sol ou chuva. Ao abrir a porta, posso encontrá-los, saindo, esperançosos e um bom dia alegre é prontamente desejado. Com os mais íntimos converso e comento amenidades. Durante o transcorrer do dia, o rumor é pequeno, todos estão ocupados. Imagino que estejam vivenciando seus projetos, seus desejos, suas travessias. À tarde ,quando olho pela janela,vejo muitos, retornando de suas jornadas, um pouco cansados, mas ansiosos para chegar em casa.É neste momento que sinto alegria ao vê-los e penso que ,no dia seguinte, eles iniciarão nova caminhada .Aos poucos, tudo vai se aquietando. A noite surge de mansinho e não mais os vejo na rua. A maioria permanece em suas casas,bem fechadas, com altos muros e artefatos de segurança.Que tenham bons sonhos e sejam felizes! Um olhar amoroso é o que os vizinhos merecem...

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras