Papel, papéis

Por: Karina Gera

As semanas foram chegando e eu me planejei para a entrada delas, mas não para o término. O que poderia ter sido um sopro caiu como vendaval e mais dias foram acabando e mais semanas chegando. Tomei por hábito anotar meus afazeres e dar baixa nos que foram concluídos. Cada vez que assinalo uma folha de “papel cumprido” me aproximo de um novo dia com papel em branco. Dia após dia os papéis foram se acumulando, muitas tarefas concluídas, mas as novas continuam chegando. Quais são os papéis que deveríamos guardar e quais deveríamos rasgar? Quantas tarefas fazemos insatisfeitos? O que poderia ser feito para transformá-las em prazer? Será que nosso papel é apenas cumprir papéis? Na verdade quem não sabe ao certo o seu papel vai continuar escrevendo a mesma história e deixando de viver aventuras e descobrir novos caminhos.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras