Uniti Fratelli

Por: Chiachiri Filho

Henrique Billi, presidente da Sociedade Italiana, era um homem alto, gordo, forte, simpático, sorridente. Biaggio Grizi, vice-presidente da mesma entidade, era baixo, gordo, narigudo, bocudo, orelhudo e sério.

Henrique Billi, cognominado “Rei do Ferro Velho,” passou a morar, nos últimos anos de vida, com sua filha Tisira, na Rua General Teles, próximo ao edifício dos Correios e Telégrafos. Antes do almoço, gostava de tomar a sua cervejinha num bar ao lado de sua morada, apreciando os requebros das mulheres que desciam a rua. Um amigo seu, percebendo as olhadelas de Henrique, falou-lhe:

– Deixe disso, Henrique. Você já está velho para essas coisas.

Henrique retrucou:

– Sou velho mas ainda sou gracioso.

Biaggio ( também chamado de Braz ) Grizi morava na Rua do Comércio, perto da antiga sede do jornal Comércio da Franca. Ficava debruçado no parapeito do alpendre de sua casa, observando com seus grandes olhos claros o fluxo da vida. Sempre que por ele passava, eu tinha o prazer de cumprimentá-lo só para ver e ouvir a sua reação. Grizi, saindo de sua contemplação, respondia ao meu cumprimento em alto e bom som:

“Bona sera , Sr.!”

E o som era tão bom e alto que dava para ser ouvido em toda a rua. Imediatamente após, ele voltava à sua fisionomia séria e contemplativa.

Quando Henrique Billi faleceu, Biaggio Grizi foi incumbido de discursar em nome da Sociedade Italiana.

À beira do caixão, Grizi começou

– Enrico, Prescidente.

Io, Vice-prescidente...

Após chorar e assoar o nariz, ele recomeçava:

– Enrico, Prescidente.

– Io, Vice-prescidente...

Chorava mais um pouco, assoava o nariz e continuava:

– Enrico, Prescidente.

– Io, Vice-prescidente...

E assim foi por quase 10 minutos. Percebendo que o elogio fúnebre de Biaggio Grizi ao amigo limitava-se a isso, a urna foi fechada e levada ao cemitério para o devido sepultamento. Antes de se lacrar o túmulo, segundo alguns presentes, dentre os quais o atento Paulo Fernando, ainda viram-se as lágrimas e ouviram-se as últimas assuadas de Biaggio Grizi.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras