Vida de artista

Por: Chiachiri Filho

A vida de artista é muito difícil no começo e no fim da carreira. Quando, porém, ele atinge o sucesso, sua vida passa a ser uma maravilha. Dão-se ao luxo de escolher, exigir, recusar. Exige aviões para seu deslocamento, carros blindados e confortáveis, camarins luxuosos.

Michel Teló que, meses atrás, era um desconhecido, do dia para noite tornou-se uma estrela e passou a usufruir de sua fama e glória. Em seu camarim, na Expoagro, determinou que ele fosse recoberto de carpetes. Exigiu ainda champanhe, uísque 12 anos, energéticos, bombons, achocolatados, botões de rosa e etc. Alguns artistas fazem exigências difíceis de serem satisfeitas. Teló, por sua vez, ficou na média. Evidentemente, ele não conseguiria sozinho beber o champanhe, o uísque, os energéticos, os achocolatados. Contudo, a sua equipe é grande, vorás, sedenta e de bom gosto.

Eu acho que o artista tem mesmo que aproveitar os seus anos de fama e sucesso. Fama e sucesso não duram para sempre. Depois, depois vem o declínio, a indiferença, a amargura e o ostracismo. É preciso aproveitar o tempo das vacas gordas.

Nos anos 50, a cantora Ângela Maria veio fazer um show em Franca. Ela estava no auge da fama e desceu num avião da VASP no aeroporto local, situado na região onde hoje encontra-se o Distrito Industrial. Do Aeroporto até a cidade havia uma estrada de terra esburacada e poeirenta. Ângela Maria, temperamental como toda grande estrela, ficou profundamente descontente quando percebeu que o veículo que a levaria até o Hotel era um Jeep. Por muito tempo , ela reclamou da recepção que lhe haviam oferecido em Franca.

O pior aconteceu com a grande Inezita Barroso. Ao ser entrevistada por um inexperiente repórter de uma das rádios locais, o rapaz quis saber a idade da cantora. Ao revelar-lhe a sua avançada idade, o repórter admirado, emendou:

“E a senhora consegue manterse perfeitamente lúcida?

Inezita, magoada e chocada com a imprudência do repórter, respondeu-lhe:

“Perfeitamente lúcida, meu rapaz, até o momento em que começo a babar.”

Até hoje, Inezita Barroso lamenta com seus amigos íntimos esse incidente ocorrido em Franca.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras