Caminhada

Por: Eny Miranda

Escuta o pulsar da vida,
Rompendo a carne fresca da aurora
E se abrindo à luz.

Vê o azul ainda refletindo estrelas
(porque existe um esplendor de água clara
no brotar da vida).

Percebe o tempo, que vai depressa,
De estrela a estrela, entre passos
De seda, aço e pó.

Sente agora o calor do sol a pino,
A iluminar o azul e a gretar,
Do dia, a pele.

Recolhe o frescor derramado sob as folhas
E nas águas, que deslizam e deslizam,
Livrando o corpo da mão ardente do tempo.

Nesta viagem, expostos ao vento e à correnteza,
Os ponteiros são céleres no caminho,
Rumo ao Oeste.

O crepúsculo se ergue presto no horizonte:
O sol escorre, o céu sangra, o sangue coagula...
E a noite já debruça o seu olhar sobre a vida.

Ah, tudo é superfície e limitações.
Como são traiçoeiros os olhos!
Como é ingênuo o coração!

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras