Faça as contas

Por: Farisa Moherdaui

Ela sempre cautelosa, comedida no gastar, pois se ganha pouco, gasta pouco também, né? Assim, pode realizar a viagem dos seus sonhos, que foi negociada em dez prestações mensais, na agência mesmo, pagou a primeira parcela. Depois de algum tempo a compra daquela televisão lindona, com todos os recursos da modernidade, paga também em dez vezes e a primeira prestação na loja de eletro doméstico. Mais adiante, a compra do colchão macio, confortável que veio até com travesseiro e capa, também adquirido em dez parcelas e a primeira paga na loja especializada em colchões.

De volta da viagem, já em casa, ela recebe aquele envelopinho vindo do banco e quando abre, Virgem Maria! Na fatura onde constava a conta da viagem, ela pode ver muito além do esperado com números e letras indicando dólar convertido em real e ela sem entender nada procurou o banco e saiu de lá achando tudo mais complicado ainda, assim como na loja de eletro doméstico e na loja de colchões. Ah, sim! Estava faltando a agência de viagens que poderia explicar e ali foi atendida por aquele senhor educado e sério a quem ela apresenta a fatura para ser conferida. E ele:

- Minha senhora, aqui na agência vendemos passagens, mas por ora, não viajamos de navio, não compramos nenhuma TV e nem colchões em lojas especializadas. Neste documento consta as suas despesas de viagem, televisão e colchão a serem pagas mensalmente em parcelas todas juntas e através do banco.

- E quantas prestações faltam senhor?

- Nove, só nove, senhora.

- Outra vez ela se dirige ao banco e pelo caminho, meio tonta, resmunga assim: - nove, oito, sete... dez.

E a viagem que nem valeu a pena, a TV que nem tão boa e o colchão, só fez doer a coluna.

- Que blefe, que raiva, que sac...

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras