Um Divã para Dois

Por: Heloísa Bittar Gimenes

Fomos assistir Um Divã para Dois. O filme conta a história de um casal, Kay (Maryl Streep) e Arnold (Tommy Lee), que deixou a rotina roer o relacionamento conjugal.

O que me chama a atenção é que o filme vai na contramão de tudo que vivemos hoje pois, apesar da crise do casal, não há traições, separações, etc. Sem botox ou juventude, o filme retrata a vida de um casal de meia idade que não sabe o que fazer com o tempo que sobra depois que os filhos saem de casa, e assim, sem perceberem deixam os sonhos e romantismo no meio do caminho.

Kay, inconformada com o marido ranzinza, que não a vê mais como mulher, busca alternativas para salvar seu casamento.

E é indo em busca de uma relação mais saudável que Kay arrasta Arnold para o terapeuta Dr. Bernie (Steve Carell) depois de ter lido seu livro de auto-ajuda para casais. São cenas hilárias, que de forma leve e bem humorada tocam em assuntos “tabus” para todos nós como sexo; e este tema abordado por um casal típico americano de meia idade é garantia de boas gargalhadas e de uma análise profunda sobre nossa vida e para onde ela nos levará. Junte-se a isto fantásticas “caras e bocas” desta estupenda dupla de atores diante das perguntas corajosamente formuladas pelo terapeuta e a diversão está garantida.

Além da comédia, que por si só já valeria o ingresso, ganhamos a oportunidade de contemplar e aprender que morar na mesma casa, sob o mesmo teto não é condição de intimidade. Que conhecer bem o outro não significa absolutamente nada se você não fizer algo com esse conhecimento, e que o tempo pode juntar ou separar um casal, dependendo de como se vive. Já pensaram nisso?

Talvez seja uma comédia romântica com o final previsível. Mas é somente nos filmes e em novelas que conseguimos saber com otimismo o fim, não é mesmo? Então, para todos os casados que estão acomodados e/ou para aqueles que querem rir, vale a pena, eu recomendo.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras