Aqui estou

Por: Débora Menegoti

194428

Eu estou retomando o estado da paixão, e para isto foi preciso me reconhecer novamente; saí das vísceras remexidas de dentro de um mundo de amores passados para fora, para um presente prudente preparado para ser puro e simples. Invento um modo de seguir em frente como se desafiada, como se não houvesse temor, como se fosse necessário transpor algo que estava latente até chegar à margem, ao outro lado. Eu te olho de frente e recordo que há pouco tempo a brisa, o tempo, os dias arredondados iam passando repletos de muitas lembranças doídas, e eu me sentia muito só, porém não me dispunha de forma alguma a ir em busca de alguém, para alívio de minhas angústias. Lavanda de vózinha Maria, Amor Perfeito com Bolachas Maizena da Tia Melinha Angélica, Gerânio, Crisântemo... Violão, moto contra ônibus levando embora o medo de asfalto e rua, imagens ressequidas de um casa (tor)mento tão bonito, acinzentado e leve quanto pôde ser . E assim ia vivendo, entre belezas reveladas pelas páginas de tantos livros, imagens de tantos filmes e sons inusitados que sugerem temas para viajar, aqui mesmo, sentada na poltrona que hoje abriga a mim e a doçura leve de uma mão pequenina a me acariciar os cabelos, a pronunciar a palavra mais terna! Meus pés já não tocam o chão! Assim possuo a prova nítida e viva de que o amor não acabou em mim. E por amar assim em verdade absolutamente sincera é que posso desejar que você tenha Fé, independentemente de que forma use para tanto, mas que você tenha uma Fé enorme! Que suas esperanças sejam renovadas a cada dia e que você siga adiante em ser quem você é e que não mude sua essência por nada nem ninguém neste mundo. Eu vejo teu coração. Eu reconheço quem você realmente é. (Posso ver sua alma, pura, quando vejo seus olhos graves).E que você possa reconhecer minhas virtudes sem esquecer-se das suas. E que possa inclusive ver o quanto de você há em mim também. Não quero mentiras alheias confundindo nossas verdades. Que nenhum inverno seja capaz de persuadir o calor nosso mais bonito! Que mesmo na dor possamos guardar o dom da valentia para não abrirmos mão da alegria que nos espera; as coisas darão certo! Você verá! Será dividindo nossas conquistas e incentivos mútuos que com certeza seremos mais fortes, felizes em dobro, não acha? Haverá amor, paz, harmonia. Quando não houver, a gente inventará! Sairemos pra ver o pôr-do-sol, as cachoeiras, brincaremos feito crianças no quintal, nos embriagaremos de vida! Dançaremos juntos! Riremos juntos! Sonharemos juntos! E a pequena nos trará reverberações, você verá! São gotículas de milagres que Deus nos dará sem merecermos. De qualquer forma me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, e certas como a luz que me ilumina neste instante. E peço a Deus muitas vezes para dar entendimento ao meu espírito: ‘—Que eu seja doce, que você continue doce, que sejamos doces. ... Que eu seja muito doce, que você permaneça doce, que sejamos doces, que você também a ame, pois ela é essencialmente doce... Sejamos todos fortes em amar.’ E assim por diante. Que seja sempre bom o que eu tiver aqui, pra você. Quero cuidar de você com um amor incansável. Vejo agora quem não conheço e tenho às vezes a vontade de sorrir. ‘— Ooi! Tudo bem? Bom Dia! Boa tarde!...’ E às vezes quando estou muito racional penso que seria muito bonito se me retribuísse com seu amor, mas as coisas bonitas já não acontecem mais, acontecem??? Porque eu quero tanto ser a sua paz, quero tanto que você seja o meu encontro sempre muito esperado. Te quero sem complicações e exigências, acolho com carinho enorme o que me for dado. Não pedirei mais do que você tenha se disposto a me ofertar, assim como eu não darei mais do que disponho a oferecer de mim a você; até porque há uma certa limitação humana. O pouco que sou, como mulher, é seu. Me colha.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras