Farmácia Nossa Senhora Aparecida

Por:

195946

Lembra desses sorrisos? Eram expostos atrás dos balcões da Farmácia Nossa Senhora Aparecida na Avenida Presidente Vargas por Manuel Marques de Araújo, Sêo Manuel - ou ‘Manezinho da Farmácia’ -e dona Maria. Francano, ele nasceu em 25 de abril de 1939 e morreu muito cedo: aos 53 anos de idade. Treinado na Farmácia do Leonildo Foroni, no Bairro da Estação, mudou-se para Cristais com dona Maria e os filhos Luiz Fernando e Sandra Mara e ali, por seus esforços, curiosidade, conhecimentos e prática dava os primeiros socorros a quem deles necessitasse, diante da carência de núcleos de atendimento à população e de médicos. Acolhia, encaminhava e orientava as pessoas: de crianças a idosos. Voltou para Franca em 1964, quando comprou a farmácia e ali atendeu até falecer, em 1992. Traços marcantes de sua personalidade, era atencioso, prestativo e carinhoso. Com todos os clientes.

Sou especialmente grata a ele. Um dos filhos nasceu com deficiência pancreática e cresceu alimentado apenas por leite de soja, cuja matéria prima era colhida em São Joaquim, exportada (a preço de banana) para os Estados Unidos e voltava para cá com o nome de Sobee, vendida a preço de ouro. Às vezes o produto faltava no mercado brasileiro. Nunca na minha casa: ele sabia do estoque particular e acompanhava as baixas: sem que eu pedisse, providenciava nova remessa. Ele faz parte da história de minha família. E de muitas outras, posso apostar.

A filha mulher de Manezinho da Farmácia e dona Maria, Sandra Mara, em breve receberá seu diploma de farmacêutica que duas de suas jovens filhas já possuem. Seguem a trilha do avô, de forma igualmente atenciosa, solícita e solidária.

(Lúcia H. M. Brigagão)

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras