Retorno

Por: Shirley Machado de Oliveira

Voe, voe, voe!
Mostre-se livre, ausente-presente,
Quase o éter

Não volte para algum lugar coeso
Em que respire métricas

Fuja com a alma aberta
E vá brincar com metáforas

Seja do entoar o prazer,
A invejar-te o siriri.

Às vezes é preciso voltar,
Encontrar o elo,
E só depois seguir
(mesmo sem ele)

Respirar sem anilho,
Pois não cabe número ao devir

Ser o ópio de ser,
Jantar a visão lá do alto
E, de vôo em vôo,
Ser mais céu que prato

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras