Uma pedrada do diabo

Por: Chiachiri Filho

202329

Não, não foi a Providência Divina que lançou o meteoro sobre uma região siberiana da velha Rússia e que feriu mais de mil pessoas, dentre as quais duzentas crianças. Deus não faria uma maldade dessas. Portanto, só pode ter sido o diabo. Um diabo travesso, um diabo moleque com estilingue no bolso e cheio de más intenções na cabeça.

Ao Supremo Arquiteto do Universo, fonte eterna do bem, deve-se atribuir a harmonia do cosmo, a fascinante trajetória dos astros pelo espaço infinito sem qualquer possibilidade de se chocarem ou se destruírem. São luminosas bolas de fogo ou imensas esferas de pedra que percorrem o céu em direção ao desconhecido ômega.

Ao diabo, fonte inesgotável do mal, é que devem ser atribuídas todas as coisas ruins que acontecem no universo. Por conseguinte, ele é a causa das guerras, das enchentes, dos maremotos, dos terremotos, das epidemias, das doenças de toda a espécie e, enfim, da morte. É ele que, sem dúvida, fica atirando pedrinhas sobre a Terra e ameaçando-nos com alguns pedrões assustadores chamados asteroides. Deus, ao contrário, garante-nos a paz, o amor, a cura, a colheita abundante, a chuva criadeira, as verdes campinas, os rios suaves, as cascatas refrescantes, enfim, a vida eterna.

Deus é o bem. O diabo é o mal. Um mal necessário? Não tenho a certeza. Porém, convenhamos, o demônio tem as suas utilidades, caso contrário, Deus não o teria inventado.

Para terminar, prezado leitor, se o capeta não existisse, poderíamos imaginar que o Supremo Arquiteto, em suas horas de folga, estaria divertindo-se ao atirar bolinhas de fogo sobre o planeta azul.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras