Cargos espinhosos

Por: Chiachiri Filho

Muitos almejam e até invejam aqueles que exercem as funções de Prefeito Municipal, Governador de Estado ou Presidente da República. Desconhecem, no entanto, os graves problemas enfrentados por esses mandatários. De todos esses cargos, talvez seja o de Prefeito o mais espinhoso. O Prefeito, por estar mais próximo do povo, pode ser cobrado a todo instante e em qualquer lugar: em casa, nos cafés, nos restaurantes, nas ruas, nas praças... Como as carências são muitas e os recursos são poucos, a vida de um Prefeito acaba virando um inferno. O Governador e o Presidente, são cobrados pela grande imprensa. Em torno deles há uma corte que os protege dos apupos, das manifestações, dos protestos e das reivindicações populares. Enclausurados e protegidos em seus palácios, ficam distanciados do povo e do clamor das ruas.

Portanto, prezado leitor, não é assim tão fácil e prazeroso ser Chefe. O Chefe é sempre um bode expiatório. Sobre os seus ombros recaem a responsabilidade, a culpabilidade, a ineficiência, a negligência de seus atos e os de seus subordinados no exercício de suas funções.

Muito melhor do que os cargos executivos são os parlamentares. Os Vereadores, os Deputados e, especialmente, os Senadores têm como função principal a reinvindicação: eles pedem, exigem, cobram. Melhor ainda do que exercer uma função parlamentar é fazer parte de um sindicato: os mandatos dos diretores sindicais são de longa duração e o seu objetivo é a defesa de uma pequena parcela da comunidade.

Realmente, não é fácil ocupar um cargo executivo. Até o Papa enfrenta as suas turbulências ( que não vêm do povo, mas da própria corte ). E que turbulências! O frágil Bento XVI não aguentou. E não foi só por causa de sua debilidade física. Há mais coisas no Vaticano que poderiam supor ou imaginar o nosso vão entendimento. Por conseguinte, caro leitor, nem mesmo o Espírito Santo pode dar plena segurança e tranquilidade para um ocupante de um cargo executivo. Haverá sempre um espírito de porco para infernizar a vida do Chefe.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras