CORAGEM

Por: Zelita Verzola

Disse-me ela que era do que necessitava para encarar a feiura (sic) do comportamento de um amigo. Este lhe telefonara dizendo que estava precisando de uma ajuda.

Pensou que talvez o outro quisesse desabafar, ou que o auxìlio sugerido pudesse ser algo mais concreto. Não. Desejava cumplicidade para afrontar, com uma atitude, alguns parentes. Tristeza. ‘ Ora oro pelo meu (des)conhecido’, concluiu.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras