Cheiro, sabor e prosa

Por: Heloísa Bittar Gimenes

Da vida a gente só leva o que viveu e aonde foi; o resto fica.
Minha vó Lydia.

Vamos tomar café? Sim, venha para cá que farei bolo de milho, broa de fubá e pão de queijo; café coado em coador de pano....hummmm. Você traz a prosa, a companhia, pode ser?

Vamos prosear, prosa mansa; falar do dia, falar da noite; falar dos filhos e da família. Falar da profissão, dos planos e projetos que nos fazem acordar. Vamos soltar as palavras, desengripar a saudade e refletir no que a vida ainda tem a nos oferecer.

Mas se o assunto ficar “ magoado” , mudaremos o rumo da prosa...Falaremos dos lugares que visitamos, das paisagens das quais nos encantamos, dos cheiros para sempre registrados na janela da alma, da comida que nos faz salivar.

Vamos prosear... Traga fotos, esqueça o relógio ; traga a alegria, esqueça o rancor; traga a fé, esqueça a aridez; traga a companhia, esqueça a solidão; traga a esperança, esqueça o amargor; traga soluções e esqueça os problemas.

É nos encontros da vida que nos reinventamos; nos desencontros também. O certo é que não há um dia como o outro. Nada se repete, tudo se transforma, inclusive nossa vida e nossas histórias.

Bom, o bolo tá assando, as broas e os pães de queijo estão na mesa; o café eu coo na hora, assim também aromatizamos nosso encontro.

Então venha, mas venha logo! Temos histórias a contar, comida para saborear e amizade para arrematar o que está por vir. O resto... Ah, o resto? O resto fica!

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras