O matriarcado francano

Por: Chiachiri Filho

Não há dúvidas de que a mulher exerce um papel fundamental na sociedade. Pode parecer que não, mas ela manda: manda na casa, manda nos filhos, manda nos maridos. Manda por bem ou por mal, com ternura ou artimanhas, com razão ou intuição. São as mulheres que educam as crianças, orientam o seu comportamento e lhes transmitem os valores morais básicos. São elas que, na verdade, com muita paciência e persistência, põem os homens na linha.

A importância civilizadora da mulher é incontestável em qualquer comunidade, daquém ou dalém mar. Em Franca, além dessas características próprias de todas as mulheres, elas assumem um papel essencial na vida econômica da cidade. Vejamos, então, alguns exemplos.

Eu não a conheci, porém os antigos lembram-se de dona Diolinda Diniz da Silva como a primeira mulher a dirigir um caminhão. Carregado de produtos de sua fazenda , vinha comercializá-los no mercado da cidade.

Adélia Borges já é do meu tempo. Começou negociando máquinas de costura e acabou montando a Casa Adélia Borges, situada na esquina da Rua General Teles com a do Comércio. Pequena, branquinha, sempre de óculos ray-ban, podia ser vista de plantão numa das portas de sua importante loja.

Coube à Alzira Billi Gonçalves, após separar-se de José Gonçalves, a direção da Empresa São José. Segundo voz corrente, foi ela quem trouxe a Viação Cometa para Franca.

Recordo-me de Luiza Trajano Donato trabalhando como balconista na Casa Higino Caleiro. Vestida de blusa branca, saia azul, sapatos de saltos, ela atendia com eficiência a minha mãe e aos demais fregueses da loja. Por aquela época, quem poderia imaginar que ela seria a inspiradora e criadora de uma das maiores empresas comerciais do país?

A Luizinha é da minha geração. Vez por outra, poderíamos encontrá-la numa festinha, num baile, numa reunião qualquer. Mas, invariavelmente, desde mocinha, estava sempre atrás de uma caixa registradora na antiga sede do Magazine, isto é, na Cristaleira.

Há, em Franca, vários outros exemplos de mulheres atuando na direção de importantes empresas. No entanto, para finalizar, quero referir-me à Professora Sônia Machiavelli, que, com muita capacidade e visão de futuro, comanda junto com o filho, Jornalista Correa Neves Junior, um dos melhores jornais diários do interior do Brasil.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras