Entenda, se puder

Por: Farisa Moherdaui

Dia desses, nem sei como me vi enrolada num bate papo meio esquisito e muito maluco, mais ou menos assim:

- Hei, você ai, não escreve mais para o jornal? Sumiu por quê?

- Sumi porque caí.

- Caiu onde, como?

- Caí num colchão.

- Mas a gente não cai no colchão; nele a gente deita, rola e dorme.

- É que o colchão não estava na cama, estava no chão.

- Agora entendi, a cama quebrou e tudo caiu: cama, colchão e você junto. Que barato hein?

- Não foi bem assim, eu tropecei no colchão, por isso caí.

- Então se tropeçou quebrou o dedo, o pé ou o pé da cama, né?

- Nem o meu dedo, nem o meu pé e nem mesmo o pé da cama. Quebrei o rádio.

- Já sei, você na cama, ouvindo a rádio Difusora, o rádio caiu e quebrou. Que pena, quebrar o rádio.

- Não, não, o rádio que quebrou é um osso do braço, o médico explicou porque eu também não sabia. Não vê que estou na tipoia?

- Ah sim, agora vi, mas antes o braço que o rádio porque braço a gente tem dois e rádio, às vezes nenhum, né?

- Sabe de uma coisa, eu já nem sei se caí, se quebrei o dedo, o braço ou o rádio porque você complicou tudo. Não vou pirar, vou embora, tiau.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras