Mutirão

Por: José Borges da Silva

Todos nós aprendemos muito vida afora, não há dúvidas. A vida é uma escola, diz o antigo adágio. Mas há certas coisas que só apreendemos pra valer no tempo certo. E é fácil perceber isso. A propósito me lembro de uma conversa que tive com um amigo, há vários anos, antes de ele desaparecer do abrigo de idosos em que morava, perto de casa, e que só me veio fazer sentido há alguns dias. À época ela me pareceu trivial, sem relevância. Referia-se à família e sua importância. Mas, quem não sabe disso? No entanto hoje, ao me aproximar da fase da vida que ele vivia, parece que suas palavras ganharam peso diferente. Na verdade, o amigo não desapareceu do abrigo, mas foi levado por parentes, que o descobriram lá depois de muitas e muitas décadas sem se verem. Ele me dizia que saiu de casa ainda na juventude e, embora tivesse vivido as mais extraordinárias aventuras, amorosas e de sobrevivência, tinha vontade de rever os parentes que deixara em fazendas da região de Franca. Eu notava nele certa amargura por ter abandonado pais e irmãos e se atirado na vida, na lida de cuidar de gado, ainda ao tempo que as boiadas seguiam a pé por estradões, tangidas por boiadeiros. Mas dizia ele não ter tido filhos nem ligações definitivas com mulheres e que, por isso, ao fim da estrada só lhe restava o abrigo, que pagava com a pensão que recebia do governo. Então ele me confessou, e foi isso que ficou em meu pensamento por algum tempo, que a vida é como uma corrida com barreiras, uma corrida com obstáculos, que vamos arredando, um a um, conforme seguimos. A seu ver a gente começa a corrida em campo liso, livre de barreiras. À medida que crescemos o mundo as vai colocando no nosso caminho. A maioria dos obstáculos somos nós mesmos que arranjamos, quando começamos a namorar, ou quando nos deixamos prender a lugares, a outras pessoas. Lembro-me de que a essa altura da exposição ele parou pensativo, meio tristonho. Depois, como que saindo de um transe retomou o discurso com ar de alegria: quando chegamos para a vida não há obstáculos. E se algum é colocado, nossos pais o arredam de imediato. O problema começa quando passamos a tomar conta da nossa própria vida... Eu fui livre a vida inteira, até chegar à idade mais avançada. Quase não enfrentei problemas. Sozinho é mais fácil resolver os que aparecem pelo caminho, ou fugir deles... Mas quando a idade chega, parece que todos vêm de uma vez. Todas as barreiras são colocadas à nossa frente justamente quando as pernas já não conseguem pular uma corda estirada no chão... Ele me falou dessas coisas quando já havia combinado com os sobrinhos que ia morar na casa de um deles, após haver experimentado em alguns finais de semana. E então concluiu o seu desabafo: hoje eu tenho pensado em tudo isso, meu caro. Na família estão amigos de verdade. Amigos de fora não têm compromisso. Viver em família faz aumentar os obstáculos, porque todos trazem os seus para a nossa vida. Mas compensa. Os obstáculos são muitos e até maiores, mas em mutirão é mais fácil superá-los ou afastá-los do caminho...

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras